quarta-feira, 26 de julho de 2017

Eu essencialmente.


Por Vitalina de Assis.





Há alguns anos tive um casal de vizinhos amigos, a mulher se chamava Maria e o marido Santos. Ele possuía uma maneira peculiar de cumprimentar que me incomodava muito, sempre dizia oi seguido de uma pergunta: - Oi, você está feliz? Aquilo me irritava, pois me levava ao consenso comum, “felicidade não existe, existem apenas momentos felizes” e aquele, particularmente, não me parecia um momento feliz. Nunca fui capaz de expressar o incomodo que esta pergunta me causava, pois ele me parecia uma pessoa demasiadamente feliz ou meio louca e o mais interessante é que nunca me esqueci deste fato. Os anos passaram e eu era a prova incontestável de fragmentos esporádicos de felicidade aqui e ali, pois na maior parte do tempo, eu me sentia uma ET perdida no planeta Terra, infeliz por natureza, apesar de...

Então comecei a fantasiar: e se tivesse isto ou aquilo, e se fizesse desta ou daquela maneira, e se vivenciasse um amor escrito nas estrelas, finalmente a felicidade faria parte do meu ser. Estava a milhões de anos luz equivocada, no entanto viver é uma escola que não permite evasão de sua classe e suas disciplinas aprender-se-ão, e não importa o tempo que se leve para isto. Meu espírito sempre fora irrequieto, insatisfeito, questionador e minha pessoa um tanto acomodada, mas como poderia ser acomodada e irrequieta ao mesmo tempo? Acredito ter sido esta dicotomia um algo a mais a mover-me e em conflitos constantes, via-me buscando o real motivo que justificasse minha suposta infelicidade.

Vi-me incontáveis vezes de volta à infância ouvindo minha mãe adjetivando um corretivo, “ô sua infeliz! Vou te colocar de castigo”.  Eureka! Estaria aí, o real motivo da minha infelicidade? Então a culpada era a minha mãe, pensava eu com os meus botões e santa ignorância. Ausentes os meus botões e um pouco mais madura minha santa ignorância, percebo perfeitamente que o único responsável (propositalmente substituo o termo culpado, uma vez que o  sentimento de culpa pode levar-nos a uma postura estacionária, ao passo que assumir uma responsabilidade, nos torna consciente de que o processo de mudança é arrojado e pessoalíssimo.) em nosso “pequeno” universo por tudo o que nos afeta, somos nós mesmos. Nós criamos nossa realidade, nossa vida, nossos sentimentos e as tantas “angústias” que vamos colhendo em nossas terras, são nossas sementes cultivadas com propriedade, se dê conta disto.   Entretanto adoramos culpar A ou B por nossos infortúnios, como se coubesse a este ou a aquele a sagrada missão de nos destruir, rotular, roubar valores, nos varrer do planeta. É certo que enquanto crianças (alguns adultos ainda são assim) não possuímos um filtro, não somos capazes de dizer não ao que nos magoa, mas logo saímos da infância e então a questão, invariavelmente, vem às nossas mãos.  É pegar e administrar ou largar e se “contentar” com a infelicidade perpassando por uma existência que possui o direito inalienável e a obrigação de ser feliz, porém desconhece ou rejeita este fato.   A vida, com sua  generosidade inquestionável ensinou-me a pegar e administrar, (confesso que demorei um pouco para colocar a mão neste arado, mas reconheço o tempo hábil para todas as coisas.) pois tudo são fases e o desejo de me encontrar, de me sentir parte de alguma coisa, de ser feliz tornou-me um ponto convergente.

O Universo se posicionou para conduzir-me por uma aprendizagem que culminaria em algo muito especial e duradouro. Comecei a meditar, praticar yôga e principalmente ler alguns autores. Perceber-me como um ser único, sem cópia por este planeta afora me deu a real noção do meu valor e passei a me amar e me perdoar incondicionalmente. Comecei a exercer a gratidão por minha existência, a aceitar-me exatamente como sou, independente do olhar e conceitos que eu outrora praticara (é impressionante o peso da nossa própria aceitação, é uma chave poderosa a destrancar as mais ferrenhas cadeias) e de repente me vi extremamente feliz em um todo e não em fragmentos felizes. Hoje compreendo a natureza da minha essência e que não é uma prerrogativa pessoal, mas inerente a todo ser humano, ou seja, ansiamos por vivenciar os sagrados atributos da divindade que habita o nosso ser que são: harmonia, beleza, amor, paz, alegria, felicidade e todas as dádivas da vida que vêm de uma Única Fonte,  que também nos busca. 


Ser feliz não é apenas um estado de alma, é antes de tudo uma atitude e o resultado do reconhecimento de que se estou aqui, é para ser feliz. É a  apropriação de um princípio imutável: o princípio da alegria, felicidade, pois não há um princípio de tristeza, então não permito mais que se aloje em mim algo menor que uma felicidade absurda. Meu estado de alma é felicidade, gratidão, paz e harmonia. Não me critico por nada, e quando penso em fazê-lo, gentilmente agradeço a sugestão inferida e me permito um agrado verbal, declaração de amor à minha pessoa a tempo e fora de tempo. Creio que o trilhar da felicidade passa por este viés quando nos amamos de fato, sem espaços para críticas que nos remota ao passado, (cuidado, este adora nos seduzir) repetindo e repetindo os mesmos erros. Me aceito e me amo incondicionalmente e sendo assim, abro espaços para que os princípios imutáveis residam em mim. Permita-se. 

12 comentários:

  1. Permita-se sentir mergulhar no desconhecido, tentando amar e ser amando,caminhando acertando e errando,mas jamais podemos ter medo de ser feliz ,belíssimo momento beijinhos no coração felicidades

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Emanuel.

      Sentir, amar, acertar, errar, são verbos que conjugamos por toda nossa existência e o medo não é um verbo, não é mesmo? Desejar sim e se desejamos o bem à nós e aos outros, a felicidade nunca há de nos faltar.

      Muito obrigada por seu comentário. Sorria sempre.

      Excluir
  2. Belo pensamento ...e viva a vida !!! O amor sempre prepara algo novo para nossa alma...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Samuel.

      O Amor é uma força criadora, um fenômeno cósmico, que abre aos homens o mundo das situações e coisas maravilhosas.

      Jesus nos deu um novo mandamento: "que vos ameis uns aos outros" e quando assim o fazemos, este amor que é a manifestação de Deus, a força mais forte e magnética do Universo, atrai até nossas vidas, o melhor que nos pode ser oferecido.

      Muito obrigada por comentar.

      Excluir
  3. Oi Vitalina.

    Que lindo e profundo é o seu texto. Você tem uma habilidade incrível de nos provocar reflexões, mexeu com os meus sentimentos, pode acreditar.

    Pensar na felicidade como algo interno e não obra de acontecimentos externos, me leva a avaliar como anda minha relação comigo. Temos uma tendência tão absurda de viver em função de outros que nos esquecemos de nós mesmos. Parei para avaliar meu comportamento e devo isto a este belo texto. Tô em falta comigo, mas já tomando providências. Bjs. Muito sucesso e luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lara. Muito obrigada por seu comentário. Fico imensamente feliz por ter-te proporcionado momentos de reflexão, é tão bom quando isto acontece, não é mesmo?

      Tenho lido excelentes autores e os mesmos tem me favorecido uma excelente oportunidade para rever meus conceitos, permitindo assim uma agradável mudança interior. Sou muito grata a isto e a todos eles. Sorria sempre. Bjs.

      Excluir
  4. O simples fato de existirmos, já predispõe a felicidade. Evitemos expectativas à outros senão à nós mesmos. Parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Renim. Concordo com você. O maravilhoso fato de estarmos vivos, já é em si, a plena expressão da felicidade, embora muitas pessoas não se deem conta disto. Muito obrigada por comentar. Sorria sempre.

      Excluir
  5. Suas palavras nos fazem refletir e sentir mais vontade. Uma forma de incentivo à NUNCA DESISTIR "obrigada minha amiga"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rayane.

      Muito obrigada por seu comentário e desistir... jamais, não é mesmo?

      Sorria sempre. Bjs.

      Excluir
  6. Fantástico texto de reflexão! A verdade é que você encontrou o seu jeito de se conhecer. E isso a ajudou a viver consigo mesma.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Graça, acho que você tem razão. A partir do momento em que travamos uma amizade e conhecimento profundo com nós mesmos,ficamos mais receptíveis aos bons sentimentos.

      Bjs.

      Excluir


Queridos!

Seu comentário muito me honra!

Sinta-se à vontade para avessar comigo.

Beijos e até.