sábado, 25 de março de 2017

Saudade.

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo





Saudade deveria ser sinônimo de reconhecimento. Reconhecer um tempo ímpar de experiências e vivências que, mesmo cotidianas e corriqueiras, mostrarão a seu tempo, seu real valor. Agradecida por cada dia e minutos em que meu ser foi capaz de registrar na alma e no sentimento, aquilo que muitas vezes, não registramos em nosso olhar.
Escrevi isto no dia 21/03/17, uma noite antes da morte da minha querida e especial amiga. Ana Maria Cruz é uma dessas amizades que são sementes que, generosamente, o destino semeia em nossa estrada muitas vezes ressequida, pela falta de um genuíno amor que ultrapassa laços familiares.
Ela chegou em uma manhã no Sac da Regional Pampulha, para solicitar o corte de uma árvore e eu tive o privilégio de atendê-la. Feita a solicitação, conversamos um pouco, ela falou da morte recente do marido e chorou. Eu me levantei, nos abraçamos e sem que nos déssemos conta, fomos "semeadas", uma na outra. 
Sua cordialidade sincera foi algo que eu desconhecia, convidou-me para ir à sua casa tomar um café, me deu seu endereço e telefone e eu imprimi um dos meus textos e lhe entreguei. Nos despedimos.
Como toda semente que lançamos na terra tem o seu tempo certo para germinar e se fazer presente na superfície, assim foi conosco. Um ano se passara sem o menor contato e em um belo sábado, sozinha na minha casa e com uma vontade de dar um passeio, lembrei-me de Ana Maria. 
Mas onde foi que eu guardei seu telefone e endereço? Na agenda do ano que já havia passado. Fucei nos meus guardados e lá estava ela e na última página, o que eu buscava. Com a cara de pau que Deus me deu, depois de vários ligo - não ligo - venceu o ligo. Do outro lado uma voz carinhosa respondeu alô e quando eu disse quem era, lá estava o convite imperativo, você está sozinha em casa? Então vem tomar café comigo, a Darci minha cunhada, está aqui e quero que você a conheça, não fica sozinha não. Menininha vem pra cá, tô te esperando.
Fui. Tomamos café com pão de queijo, conversamos, Darci levantou-se para ir embora, ía aproveitar a deixa e a Ana não deixou que eu fosse com um óbvio argumento: "pra quê que você vai pra casa pra ficar sozinha? Eu também vou ficar sozinha se você for embora, então vamos conversar mais e você dorme aqui, e amanhã saímos para almoçar ou eu vou fazer um almoço bem gostoso pra gente".
Depois deste dia, uma vez por semana, eu saía do trabalho, passava na padaria do seu compadre que ficava na esquina, comprava o pão bem torradinho e o café já estava cheirando na rua.
Em Julho de 2016, minha amiga sofreu um AVC, foi guerreira e continuou lutando pela vida, até que hoje, dia 22/03/17 ela nos deixou. Eu estava há três semanas com ela, cuidando para que sua prima Olga pudesse descansar um pouco e sem mais nem menos, após um café e um almoço maravilhoso, ela se foi e me deixou com um vazio imenso no coração. Vi no seu olhar a vida esvaindo e não pude acreditar no que fingia negar meu olhar.
Oi menininha, você está boa? Nunca mais ouvirei a sua voz, não enquanto eu ainda estiver por aqui. Sei que o Senhor recolheu mais uma flor, e sei também que ela semeou jardins imensos e por muitas e muitas décadas ela ainda será lembrada, por sua alegria, garra e extrema generosidade. Fez amigos como eu jamais imaginei que alguém pudesse fazer e conservar e se a vida lhe negou filhos, ..
“Canta alegremente, ó estéril, que não deste à luz; rompe em cântico, e exclama com alegria, tu que não tiveste dores de parto; porque mais são os filhos da mulher solitária, do que os filhos da casada, diz o SENHOR”.
Descansa em paz minha linda. Aprendi muito com você. Por toda a minha vida, vou te amar. SAUDADES!


domingo, 19 de março de 2017

Arvoreando.


Por Vitalina de Assis.





Que bom que meu olhar pôde captar o crescimento da árvore. Árvores realmente me encantam e em dias idos, de sofrimento intenso me alimentava de sua força, firmeza e determinação, pois voltavam sempre frondosas e com muitas histórias para contar. E se assim podiam... perder folhas, perder flores, secar e novas folhas, novas flores, nova sombra desenhar, pensava... por quê não sentir sua sabedoria e imitar seu ciclo?

Pedi o plantio de algumas na minha rua, sofri com elas e com as formigas cortadeiras que pareciam possuir prazer em picotar suas juvenis e recém chegadas folhas. Não ficava uma para contar história. Formigas cortadeiras já passaram por meu jardim. Evidenciava uma perda aqui e ali sem a compreensão de que necessário seria perder, para ganhar em outro tempo, em outros dias, em nova maturidade. Também reguei incontáveis vezes suas raízes, e aonde chegava a mangueira, ia eu, e aonde mangueira não ia, caminhava eu com o balde.

Segurei a base de um tronco com pedras, implorei a um estranho que me ajudasse a escorar uma delas e no dia seguinte, lá estava uma pesada galha, já com flores, caída na calçada. Mobilizei um colega, mandei fotos, solicitei uma intervenção e cortaram a galha, aprumaram a arvorezinha.

Hoje converso com elas, (um elogio, um obrigada por existir) toco em seus troncos, acho graça de minhas angústias enquanto cresciam. Aprendi com elas que saber quem somos e a que viemos, faz toda a diferença. (Sinceramente? Penso que evadi desta aula e por mais que eu pense, sinta ou invente para mim um propósito, sei que estou em falta com minhas entranhas, com o que anda na minha alma, com sentimentos que ainda não elaborei.)

Estava agora no banho, naquele momento único em que podemos pensar em quem somos, no que fazemos e aonde ainda não chegamos. Pensei com a minha pele, (já que em minha nudez não havia botões para pensar, acredite, este não é um bom momento para análise. A nudez te expõe sem piedade. Fica o eu e a pele descoberta.) que na minha vida, ao longo de meu meio século e alguns anos de existência, não sabia direito quem eu era, o que eu fiz e qual o real propósito da minha existência.

Formei-me em Letras, não dou aulas, sou escritora e meus livros presos dentro de mim estão, estou só e sem emprego (é, estou engrossando as estatísticas ) e no meu mais puro estado otimista, me questionei: - e agora?

Banho tomado voltei ao quarto, mirei-me no espelho, passo protetor solar? E esta mancha no rosto que insisto em ver mais clara ou finjo não enxergar e ela insiste em ser.  Incomoda-me sua firmeza. O que fazer? Emagreci um pouco, pensei nos exercícios que postei no Face,  no abdômen  que ando prensando e abrindo as costelas, que segundo minha filha, não se abrem se não há ar nos pulmões. Vou rever esta técnica, em algum detalhe me equivoco.

O Facebook chamou minha atenção – “Soninha comentou seu vídeo”. Pensei: vai malhar também. Ela não viu este vídeo ou não se importou. De qual vídeo se posiciona? Ah! As árvores! Tão centrada no meu umbigo, tinha me esquecido deste vídeo incrível. Tiro o foco de mim mesma, penso nas árvores e passo a responder minha amiga. E não é que apenas comentar, me emociona?

Mergulho em mim, minhas galhas se movem, há uma brisa que incomoda, (brisas refrescam, mas esta me incomoda) sinto muitas folhas picotadas a espalhar-se e nenhuma formiga cortadeira ao alcance de meus olhos. Desejei ser árvore com a sua certeza. Me descobri fragilidade das incertezas, galha cansada, rendida ao chão.

Outra brisa, outro momento, outro pensamento. Não é assim que acontece?