quinta-feira, 2 de junho de 2011

As duas faces da moeda.

  Por Vitalina de Assis.

Amor e cumplicidade são as duas faces da moeda? Ou a cumplicidade é o conhecido Amor,   em sua forma feminina?





O poeta advertiu ou afirmou:  “Que seja eterno  enquanto dure”. (Que mania temos de trocar as coisas) Não disse: “eterno enquanto dure", o poeta Vinícius,  "mas que seja infinito enquanto dure”.  Peço então licença poética para insistir nesta troca. O que exatamente está  sugerido que seja eterno enquanto forma ou existência? Atrelamos esta fala ao amor que pauta ou deveria pautar e alicerçar as relações, no entanto, estaria ele de fato falando  do amor?  Eterno e durabilidade são sinônimos e não antagônicos, mas como em poemas ou em  prosa tudo é permissível, gostaria de fazer  aqui  uma outra releitura,   pois a vida é assim: Uma instigante criatura que não deve ser rotulada ou inserida em formas compactadas como se não houvesse sequer a possibilidade de mudanças. Quando obtusos em relação a isto,  praticamos  um erro e ficamos  à margem do que significa e nos propõe a vida todos os dias.
Aproprio-me da máxima do slogan do guaraná Kuat: “Abra sua cabeça” e como não poderia deixar de ser neste contexto: “Abra seu coração”! O que realmente faz perdurar um relacionamento nos dias de hoje? Amor? Paixão? Vontade? Determinação? Filhos? Objetivos? Dinheiro, ou a falta dele? Medo? Insegurança? Conceitos arraigados? Ou mais contemporaneamente falando, (sejamos  realistas) o que provoca o rompimento, o “The End” da relação? E esta lista prosseguiria por páginas, no entanto,  pontuo aqui. Deixei propositalmente um item de fora, falarei dele mais a frente.

E o que são,  ou como são  os dias de hoje? Dias de hoje são meio “fast-food”. A impressão que temos é de  que as horas continuam com os 60 minutos cravados no relógio, porém    escoando bem mais rápido como se a abertura pela qual tenha que passar a “areia do tempo,”  tivesse sido adulterada. A este modelo, "rápidas e facilmente digeridas" adequamos também nossos relacionamentos. Nutridos para o amor e  para mais uma lida nos “dias de hoje”, voltamos para o trabalho e  para os relacionamentos  supostamente alimentados e na  verdade,  estamos  nos desnutrindo dia após dia sem a percepção do fato, até que...
Voltemos ao que interessa por hora. Não citei na  lista acima o que considero  ser “o pulo do gato” das relações em nossos dias  e não refiro-me  ao amor do qual talvez tenha cogitado  o poeta, e  que  deixando nas entrelinhas seu antagonismo ou sua fase realista bem demarcada,   “enquanto dure”, sugere que o amor pode não ser duradouro, ou quem sabe dê uma trégua por dias, semanas, meses, ou ainda saia  de viagem de férias sem bilhete de volta, no entanto,  ainda se é possível manter uma relação, sociedade, parceria.
CUMPLICIDADE é a bola da vez e não falo de crimes, ok? Definimos cumplicidade por: “Quem colabora em, ou participa com outrem de algum fato; parceiro”. Ressalto aqui: COLABORA, PARTICIPA DE E COM, PARCEIRO.
Onde há colaboração, participação, parceria em prol de um objetivo em comum (no amor, ou na guerra) é certo que,  apesar dos contratempos (nada vem de mão beijada, ou sem suor e lágrimas) pode-se manter qualquer empreendimento e mais, obter sucesso. No amor a “cumplicidade” é uma fortíssima aliada, é ela quem nos permite kuatar, (abrir a cabeça)   e o coração” para os “vãos”, “sonhos”, “desejos” e tudo mais que possa fazer frente ou obscurecer  os relacionamentos em dias atuais.
Fica aqui uma pergunta no ar: Amor e cumplicidade são as duas faces da moeda? Ou a cumplicidade é o conhecido Amor, em sua forma feminina?

12 comentários:

  1. Adoooro D.R. rs. Seu texto é leve, amoroso, um grito de alerta...
    Mas sabe? Eu gosto quando existe na relaçao algo melhor que o amor: a cumplicidade....é a forma doce de nao permitir que o tempo distancie.

    Beijao

    ResponderExcluir
  2. Seu blog é muito interessante...
    Estou te seguindo.... Tenha um Lindo Dia!
    Siga meus Blogs: http://cartasdeumcoracao.blogspot.com/
    E http://deusemminhaalma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Vi, minha querida amiga!

    QUE TEXTO! Algumas sensações aqui dentro se misturam e me fazem refletir sobre o meu momento atual. Sempre acreditei que amor e cumplicidade andavam de mãos dadas em uma relação bem-sucedida. Depois, a vida, estranhamente, me mostrou o contrário: Às vezes você ama uma pessoa do fundo do seu coração, mas não encontra em parte alguma dela, vestígios de cumplicidade... Depois de tanto buscar o entendimento, encontrei sim uma explicação: O amor segue em outra via e a cumplicidade só se apresenta quando há um grande objetivo em comum...

    Amei, como sempre!

    Beijos, querida amiga!

    ResponderExcluir
  4. Ufa! Até que enfim consegui dar uma passadinha por aqui. Como sempre, adorei o texto! Acredito que amor e cumplicidade caminham juntos. No início, até pode-se acreditar que o amor basta, mas, com o tempo, percebemos que sem cumplicidade, companheirismo o amor tende a acabar. Amor sozinho não basta!

    Beijos amiga. E até a próxima.

    ResponderExcluir
  5. Ei Vitalina,
    sei que lê o Palhaço Poeta,
    confere e comenta esse extraordinario texto dele aqui:http://reflexosespelhandoespalhandoamigos.blogspot.com/2011/05/de-volta-casa-parte-iii.html
    Todas as segunda ele é nosso colunista e certamente adorará te-la por la por seus textos, confere e se gostar leia toda segunda.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  6. Muito bom seu texto. A cumplicidade, em meu entender, não é visão feminina. Ela ter que existir em qualquer tipo de relação verdadeira. Nós a encontramos, com facilidade, na amizade, talvez porque os amigos são mais autênticos. Já , no lado do amor, embora indispensável, é mais difícil de ser encontrada.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. O amor propõe cumplicidade sim, no masculino e no feminino, não há distinção aqui. A propósito, em princípio o amor não distingue sexo.
    cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  8. Olá, querida!

    Quero agradecer sua visita; eu tb. adorei seu blog, vou passar sempre por aqui.
    Tenha uma ótima semana.
    A paz do Senhor ao seu coração.
    bjs.
    Edna

    ResponderExcluir
  9. Vitalina,

    Seguindo o exemplo da moeda, uma das faces é cumplicidade a outra será a partilha!... São as duas condições sem as quais nenhuma relação sobrevive!


    Beijos!
    AL

    ResponderExcluir
  10. tudo termina misturando-se, mas, são sentimentos diferentes, intensos, que mexem com a gente. Gostei muito do seu texto.

    beijo querida

    ResponderExcluir
  11. Texto lindo, acredito que a cumplicidade é um pouco difícil de encontrar na parte masculina. Mas no amor tem que ter colaboração, participação, parceria, cumplicidade, assim acredite que dê certo. Parabéns pelo texto. Um abraço!

    ResponderExcluir
  12. Amiga,
    Passando para agradecer a sua visita, contrariamente ao que é costume no fast-food dos dias...resolvi sentar-me...e saborear...
    O seu "récit" é de uma profundidade tal, que não é compatível com um comentário bloguístico...
    AVESSA a tudo o que é avesso para mim, não o sendo porém em relação à cumplicidade que se completa com a partilha.
    Ainda há blogs muito inteligentes...
    Abraço

    ResponderExcluir


Queridos!

Seu comentário muito me honra!

Sinta-se à vontade para avessar comigo.

Beijos e até.