quinta-feira, 13 de abril de 2017

Liberdade, asas de mim.


Por Vitalina de Assis.






Debulhar meus sentimentos trará minha verdade de forma clara e se posso dizer, absoluta. Não. Não serei tão soberana em minha análise, mesmo porque, ninguém poderá de fato ter uma verdade absoluta sobre o que quer que seja, haja vista sermos passíveis de erros em nossa análise, entretanto, se já me compreendo, aceito e reconheço-me, posso me sentir feliz neste processo.

Desejo fazer menção a uma lei que foi promulgada em 28 de setembro de 1871, a Lei do Ventre Livre que considerava livre, todos os filhos de mulheres escravas nascidos a partir da data da lei, ou seja, seus filhos não carregariam sobre os ombros o jugo da escravidão, seriam livres. Acredito que cada um de nós, em determinada época de nossas vidas, deveríamos promulgar semelhante lei sobre nossos sentimentos e liberta-los de todo o peso, enfado e desengano. Quantas e quantas vezes terão os sentimentos, o encargo sobre humano de carregar sobre seus ombros, um jugo tão desleal e impróprio?

Meio século de existência parece-me pouco para sobrecarregá-los desta forma. A incompreensão e o desconhecimento sobre meu eu mantiveram-me escrava e a eles também, mas mergulhar densamente a procura da minha verdade trouxe-me a liberdade. Disse Jesus: “Conhecereis a verdade e a verdade, vos libertará”.  Que conhecimento é este e que verdade é a chave para a minha libertação? Toda verdade pessoal é empírica, e não será necessariamente a verdade do outro, uma vez que somos seres únicos, assimilamos distintamente e carregamos vivências que moldaram nosso caráter e nossa forma de ver e experienciar. Somos seres tão complexos e ao mesmo tempo tão simples. Vamos aprendendo no dia a dia, no cansaço ou na leveza que a vida nos impõe e o cansaço está para a leveza, de quem ousa despojar-se. Quanto mais me pesam os ombros, mas tenho  necessidade de aliviar a carga.

Promulgo e assino esta lei que vai outorgar-me liberdade e o desapegar que necessito, para seguir livre de peso excedente e totalmente consciente das minhas reais necessidades, ou seja,  visualizo com uma clareza gigantesca todo este universo (entenda por situações criadas na minha mente e toda esta confusão emocional) que me envolveu. 

Nada é absolutamente novo em uma relação, pois em um relacionamento,  não se trata do outro,  se trata sempre do "eu", ou seja, de como "eu" me relaciono inicialmente comigo, como vou espelhar isto no outro e o valor das minhas expectativas. Percebo que um relacionamento é uma oportunidade ímpar de se conhecer, de agregar valores e principalmente o reconhecimento de nosso real valor. Como aceitamos uma relação, como administramos e quanto estamos dispostos a lutar por ela, se empenhar, dá o grau de sua relevância. Entretanto, analisando um pouco mais, percebo que lutar ou não lutar não desvaloriza aquilo que deixamos. Tudo há de ter o seu tempo, mas tudo há de ter também sua consistência.

O valor está na prática de um comportamento recorrente, e aqui sim, cabe uma análise rigorosa e sincera. Qual é a natureza do meu espírito? O que prioriza meu ir e vir? Como me comporto quando a insatisfação, comodismo ou uma preguiça extrema de viver, se me apresentam?

Preciso sair de mim e enquanto ausente ser expectadora, assistir-me, enxergar o meu mover sem estar envolvida.


Estou consciente de que estou consciente e estando assim tão autônoma e fora de mim, posso trocar a fala, sentimentos e  atitudes como se troca de roupa, um exercício tão comum e necessário. Asas de mim, liberdade.

11 comentários:

  1. Minha Amiga, promulgo e assino consigo "esta lei que vai outorgar-me liberdade e o desapegar que necessito, para seguir livre de peso excedente e totalmente consciente das minhas reais necessidades".
    Gosto do modo como questiona e se questiona. Vai ter asas e voar até perder as sombras...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Oi Graça.

      Que bom que a nossa fase casulo, assim como na natureza, tem seu tempo determinado e possuir asas é uma realidade que nos alcança em tempo propício. As sombras vamos deixando pelo caminho.

      Muito obrigada. Felicidade plena para ti. Bjs.

      Excluir
  2. Muito belo querida amiga ,a liberdade que nos liberta ,beijinhos no coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Emanuel.

      Obrigada por sua presença constante.

      Que haja sempre momentos em nossas vidas em que o primordial, seja abrir as asas e voar.

      Bjs.

      Excluir
  3. Tornando-nos expectadores de nós próprios, possamos ter uma noção de quão mal ou bem façamos ao próximo! Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Renim.

      Muito obrigada por seu comentário. É verdade, como expectadores de nós mesmos e de nossas atitudes em determinadas situações e porque não todas, nos torna mais conscientes. Estar consciente demonstra o quanto estamos avançando em nossa melhoria como pessoa.

      Abraços.

      Excluir
  4. Sabes, Vi, quando acabei de ler o teu excelente depoimento, lembrei aquela frase do filósofo :"Penso, logo, existo." Depois, as tuas divagações são matéria para um livro de "auto-ajuda" porque teces considerações muito sérias.Porque precisamente pensas no que muitos/as pensam e não se expressam.
    Todas fomos escravas/os algum dia. Sim , escravos. Sei que o contexto será diferente mas , como sempre, o que escreves, dá pano para mangas...
    Beijinho grande!***

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Manú, minha linda amiga.

      É sempre uma alegria muito grande receber um comentário seu, uma honra, para ser mais exata.

      Tenho uma amiga nos Estados Unidos, que disse-me exatamente isto, que eu poderia ajudar muitas pessoas escrevendo livros de autoajuda, veja o que ela disse: "o livro de autoajuda mais eficiente que existe, é aquele que o autor é o protagonista da própria história, no livro de autoajuda o autor conta a própria experiência encima, no decorrer da sua própria caminhada, tem pessoas que tem preguiça de tentar passar pelas mesmas experiências, talvez por medo de tentar lutar por pela própria independência, aí é onde o livro de autoajuda entra em ação, tem milhares de pessoas que vão pelos caminho de autoajuda." Acredito que ela está certa e já estou trabalhado em prol disto.

      Tem algumas amarras das quais preciso me desvincilhar. "Liberdade ainda que tardia". Bjs.

      Muito obrigada pelo carinho.

      Excluir
  5. oi minha amiga Vita! como vc ta?
    claro que eu lembro de vc! e vc segue escrevendo mto bem.
    foi bom o tempo q todos blogávamos ne.
    dai fiquei com saudades de tudo e voltei a blogar... tinha desistido pq o blog tava me dando aborrecimento, mas passou e recomecei.

    aqui segue tudo na paz. fico mto triste com tudo o que tem acontecido ai no Brasil. tava indo bem, ne? parecia q ia deslanchar, q tudo ia melhorar mto.
    sinto mto por nao ter dado certo seus planos. mas nao desista, pq uma hora tudo se encaixa da melhor forma possível, acredite nisso.

    parabens pelos seus textos. sao sempre de otimas reflexões e muito bem pensados.
    um enorme abraço, muita paz e sorte, querida amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Alexandre, amigo de longos anos e terra distante.

      Que bom que voltou a blogar, aprendemos muito com o seu trabalho, que é excelente e vamos conhecendo um pouco mais desta bela terra. Ainda vou andar sob as cerejeiras, com certeza.

      Nosso país está passando por uma sangria sem precedentes, e acho que ninguém de fato sabe diferenciar o certo do errado. Cauterizaram nossas mentes, e alojou-se uma "inconsciência coletiva". Espero que Deus intervenha, já que não sabemos mais com quem está a verdade. Temos um país maravilhoso, riquíssimo e ficamos sonhando com outra nação por conta deste quadro político vergonhoso. Enfim, espero piamente por dias melhores.

      Muito feliz por vê-lo por aqui e obrigada por tão gentil comentário.

      Abraços e muitas felicidades. Sorria sempre.

      Excluir


Queridos!

Seu comentário muito me honra!

Sinta-se à vontade para avessar comigo.

Beijos e até.