domingo, 19 de março de 2017

Arvoreando.


Por Vitalina de Assis.





Que bom que meu olhar pôde captar o crescimento da árvore. Árvores realmente me encantam e em dias idos, de sofrimento intenso me alimentava de sua força, firmeza e determinação, pois voltavam sempre frondosas e com muitas histórias para contar. E se assim podiam... perder folhas, perder flores, secar e novas folhas, novas flores, nova sombra desenhar, pensava... por quê não sentir sua sabedoria e imitar seu ciclo?

Pedi o plantio de algumas na minha rua, sofri com elas e com as formigas cortadeiras que pareciam possuir prazer em picotar suas juvenis e recém chegadas folhas. Não ficava uma para contar história. Formigas cortadeiras já passaram por meu jardim. Evidenciava uma perda aqui e ali sem a compreensão de que necessário seria perder, para ganhar em outro tempo, em outros dias, em nova maturidade. Também reguei incontáveis vezes suas raízes, e aonde chegava a mangueira, ia eu, e aonde mangueira não ia, caminhava eu com o balde.

Segurei a base de um tronco com pedras, implorei a um estranho que me ajudasse a escorar uma delas e no dia seguinte, lá estava uma pesada galha, já com flores, caída na calçada. Mobilizei um colega, mandei fotos, solicitei uma intervenção e cortaram a galha, aprumaram a arvorezinha.

Hoje converso com elas, (um elogio, um obrigada por existir) toco em seus troncos, acho graça de minhas angústias enquanto cresciam. Aprendi com elas que saber quem somos e a que viemos, faz toda a diferença. (Sinceramente? Penso que evadi desta aula e por mais que eu pense, sinta ou invente para mim um propósito, sei que estou em falta com minhas entranhas, com o que anda na minha alma, com sentimentos que ainda não elaborei.)

Estava agora no banho, naquele momento único em que podemos pensar em quem somos, no que fazemos e aonde ainda não chegamos. Pensei com a minha pele, (já que em minha nudez não havia botões para pensar, acredite, este não é um bom momento para análise. A nudez te expõe sem piedade. Fica o eu e a pele descoberta.) que na minha vida, ao longo de meu meio século e alguns anos de existência, não sabia direito quem eu era, o que eu fiz e qual o real propósito da minha existência.

Formei-me em Letras, não dou aulas, sou escritora e meus livros presos dentro de mim estão, estou só e sem emprego (é, estou engrossando as estatísticas ) e no meu mais puro estado otimista, me questionei: - e agora?

Banho tomado voltei ao quarto, mirei-me no espelho, passo protetor solar? E esta mancha no rosto que insisto em ver mais clara ou finjo não enxergar e ela insiste em ser.  Incomoda-me sua firmeza. O que fazer? Emagreci um pouco, pensei nos exercícios que postei no Face,  no abdômen  que ando prensando e abrindo as costelas, que segundo minha filha, não se abrem se não há ar nos pulmões. Vou rever esta técnica, em algum detalhe me equivoco.

O Facebook chamou minha atenção – “Soninha comentou seu vídeo”. Pensei: vai malhar também. Ela não viu este vídeo ou não se importou. De qual vídeo se posiciona? Ah! As árvores! Tão centrada no meu umbigo, tinha me esquecido deste vídeo incrível. Tiro o foco de mim mesma, penso nas árvores e passo a responder minha amiga. E não é que apenas comentar, me emociona?

Mergulho em mim, minhas galhas se movem, há uma brisa que incomoda, (brisas refrescam, mas esta me incomoda) sinto muitas folhas picotadas a espalhar-se e nenhuma formiga cortadeira ao alcance de meus olhos. Desejei ser árvore com a sua certeza. Me descobri fragilidade das incertezas, galha cansada, rendida ao chão.

Outra brisa, outro momento, outro pensamento. Não é assim que acontece?

14 comentários:

  1. Simplesmente belíssimo querida amiga ,adorei ,muitos beijinhos felicidades

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Emanuel, muito obrigada.

      Sua leitura e seu comentário alimentam o meu sentido de "ser", na minha escrita e vozes, que ouso colocar no papel.

      Muito agradecida. Bjs.

      Excluir
  2. "Desejei ser árvore com a sua certeza. Me descobri fragilidade das incertezas, galha cansada, rendida ao chão.". Um texto maravilhoso!
    Uma boa semana.
    beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Graça, que bom te ver por aqui.

      Como disse ao Emanuel, sua presença constante por aqui me enche de alegria e me faz perceber o quanto nossa vida precisa de outras vidas para viver. Obrigada por existir. Bjs.

      Excluir

  3. bonito, digno de uma mulher apaixonada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá anônimo, muito obrigada.

      Estar apaixonada é uma condição que deveria ser regra para todas as pessoas, pois quando somos movidos pelo amor, tudo se torna mais simples, não é mesmo? Mas vou além do amor pelo outro e a condição de ser ou não correspondida. Estar apaixonada é antes de tudo, um sentimento de gratidão pelo simples fato de existir,pela delícia que é acordar todas as manhãs e saber que um novo dia me espera com a propriedade de ser melhor e mais vibrante do que o dia anterior.

      Anoiteceu e não foi exatamente o que eu esperava? Não há problema, amanhã será um outro dia.

      Felicidades, transite mais por aqui.

      Excluir
    2. Olá anônimo, muito obrigada.

      Estar apaixonada é uma condição que deveria ser regra para todas as pessoas, pois quando somos movidos pelo amor, tudo se torna mais simples, não é mesmo? Mas vou além do amor pelo outro e a condição de ser ou não correspondida. Estar apaixonada é antes de tudo, um sentimento de gratidão pelo simples fato de existir,pela delícia que é acordar todas as manhãs e saber que um novo dia me espera com a propriedade de ser melhor e mais vibrante do que o dia anterior.

      Anoiteceu e não foi exatamente o que eu esperava? Não há problema, amanhã será um outro dia.

      Felicidades, transite mais por aqui.

      Excluir
  4. A rotina, que escraviza, foi quebrada: a minha querida amiga me fez um convite especial: visitar seu blog, pois nele eu estaria presente.
    Sei que frequento seu coração, mas há muito estamos distantes destas conversas "textuais".
    Adorei!
    Linda crônica!!!!!
    Sinto-me lisonjeada!!
    Faço parte do seu jardim!!!
    Colha, querida, o meu sorriso!!!
    😉

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amiga linda, que bons ventos a tragam aqui, pois foi justo por meus textos "clandestinos" postados na coluna do Yahoo, que nos conhecemos e tecemos esta amizade incrível. A coincidência de ter o mesmo nome de sua amada mãezinha, foi o elo que nos uniu.

      Já choramos nossos causos, já trocamos confidências, nos tornamos irmãs, present que generosamente a internet nos concede.

      É uma alegria sem igual te ter de novo por aqui.

      Beijos minha linda. Muitas saudades de ti.

      Excluir
  5. A rotina, que escraviza, foi quebrada: a minha querida amiga me fez um convite especial: visitar seu blog, pois nele eu estaria presente.
    Sei que frequento seu coração, mas há muito estamos distantes destas conversas "textuais".
    Adorei!
    Linda crônica!!!!!
    Sinto-me lisonjeada!!
    Faço parte do seu jardim!!!
    Colha, querida, o meu sorriso!!!
    😉

    ResponderExcluir
  6. Cuanta verdad, que sentimiento tan profundo ese que alguien te despierta por el solo hecho de sentirlo sin que seas correspondido eso es mágico, admirar cada mañana el sol salir y admirar las pequeñas cosas de la vida... Vivir eternamente enamorada de la vida porque cada cosa que pasa es una enseñanza. Adoro tus líneas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo, buenas noches.

      Adoraria responder-te em espanhol, amo a língua espanhola, mas temo cometer alguns erros e não ficar muito claro para você, que pelo visto lê muito bem o português.

      Amar e não ser correspondido nunca será o fim do mundo, pois o amor é o que dá sentido a nossa vida e jamais será desperdiçado ou jogado no lixo. Amor é uma energia espetacular, boa, saudável e contagiante. Se ele bate em um coração e não encontra abrigo, retorna para quem o liberou, assim como o ódio ou sentimentos ruins. O que liberamos sempre volta para nós, então prefiro mil vezes liberar o amor, além do que nos permite um novo olhar sobre todas as coisas.

      Eu sempre admirei o sol, a natureza, as flores, o belo ao meu redor, sou capaz de ficar encantada até com o mato, aquele capim que todo mundo que por fogo. Agradeço muito a Deus por esta percepção e sensibilidade.

      Concordo com você quando diz que tudo que nos acontece, ou aconteceu é um ensinamento, pois a vida é a nossa grande e incansável maestra e desta aprendizagem, nunca estaremos isentos.

      Muito obrigada por tão gentil comentário.

      Abs.

      Excluir
  7. Oi Vitalina. O que dizer deste texto?

    Acho que você soube dar um belo passeio por suas inquietações e desejos. Confesso, é um texto que sai de suas entranhas e confronta com a nossa superficialidade, pelo menos com a minha.

    Analisando os comentários já feitos e suas respostas aos mesmos, percebo que a leitura e a interpretação é verdadeiramente um ato individual e porque não, solitário.

    Falou profundamente à minha alma, pois insisto em ficar somente no nível da superficialidade sem me aprofundar muito nos meus sentimentos. Também não sou observadora da natureza, se cortarem todas as árvores da minha rua, é bem provável que eu nem perceba. Fico imensamente feliz e grata por este texto tão maravilhoso e por todas as sensações e questionamento que me provocaram.

    Parabéns, você escreve como se falasse não apenas de si, mas permite que quem a lê, se encontre em suas linhas. Obrigada. Ganhou uma leitora.
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lara Lins, o que dizer do seu comentário? Nossa! Fico feliz que o meu texto tenha despertado sensações, acredito que boas, em você.

      Sempre quando escrevo, espero que de uma forma ou de outra, minhas palavras possam provocar um bom momento de reflexão, de deleite e que ofereça novas possibilidades de mudanças de paradigmas, afinal nunca estamos completos ou donos de todo saber. Confrontar novas ideias, permitir que nossos pensamentos sejam questionáveis por nós mesmos, é uma boa maneira de abrir espaços para uma nova consciência, um novo pensar e quem sabe, mudar ou adquirir um novo hábito. Se posso te dar uma sugestão, olhe mais para as árvores, curta as folhas e flores, se integre mais com a natureza, pois você certamente faz parte dela. Tenho certeza absoluta de que se cortarem todas as árvores de sua rua, você vai perceber no ato e vai sentir uma falta imensa de cada uma delas. Espero que isto nunca aconteça, rs. Ok?

      Fique completamente à vontade e avesse muito por aqui.

      Um beijo e muito obrigada por seu comentário.

      Excluir


Queridos!

Seu comentário muito me honra!

Sinta-se à vontade para avessar comigo.

Beijos e até.