terça-feira, 29 de novembro de 2011

Réstia de luz.

 Por Vitalina de Assis.






Refém de quem queria roubar-lhe a vida
em vagos momentos de lucidez
desejava viver

Ainda que a morte
afagasse seus cabelos
e uma réstia de luz
iluminasse a eternidade próxima
soube convergir tal luz
para sua esperança criança

Inocente,
a morte esqueceu-se
que basta pequena luz
para nutrir a vida
de quem aguarda
o cair da guilhotina

Embora cantasse a morte:
te degusto com requinte
em mesa posta

uma réstia de luz
destoa sua canção
e insistente
conspira em favor da vida

Réstia de luz inconveniente
aquece tijolos agora complacentes

refletiu luz de vida
além do cativeiro
aboliu a ideia de vê-la morta
roubou-lhe a intenção de desistir afinal

Firme neste próposito
fez-se valer
da luz que incidia sobre tijolos
que desconfiava ser a vida
a espiar-lhe mansamente

Quando a vida espia, conspira
percebeu sua sorte mudar
de perdida em braços mortais
agora segura em braços de amor

Optou pela vida
desistir não conjugaria
ignorou apelos do medo
e pequena réstia de luz
brilhou na saída do cativeiro.

19 comentários:

  1. Querida amiga

    No optar
    pela vida,
    se encontra
    a mais perfeita esperança
    sobre a nossa vida.

    Que a luz da vida
    esteja sempre em teu olhar.

    ResponderExcluir
  2. A luz sempre vence sobre a negritude escura e misteriosa!

    ResponderExcluir
  3. Vitalina,que belo poema que escolhe a luz ao invés da escuridão, a vida ao invés da morte!Ficou maravilhoso!Bjs,

    ResponderExcluir
  4. Vi, você é completa! Quantos poemas aqui... Todos lindos. Parabéns!

    Optar pela vida é acreditar na luz. Não só a luz que ilumina as nossas cabeças, mas a luz que ilumina por dentro.

    AMEI o poema que deixou lá. Tão lindo! Fiquei MUITO feliz e encantada com a surpresa! Muito obrigada pelo carinho.

    Estava com Saudades...

    Beijos, minha Vi!

    ResponderExcluir
  5. "Quando a vida espia, conspira"...

    Ler esse poema me lembrou uma frase que uma amiga sempre repetia: O Universo (e a vida!) sempre conspiram a nosso favor.

    Adorei esse poema-liberdade! Lindo, Vita!!

    Um beijo e meu sempre carinho!

    ResponderExcluir
  6. Oi Vitalina,
    Adorei o poema.
    Obrigada pela visitinha ao meu blog. Vc escreve lindamente. Já estou seguindo vc.
    Beijos 1000 e um meio de semana maravilhoso para vc.

    www.gosto-disto.com

    ResponderExcluir
  7. Olá Vitalina, obrigada pela visita,
    lindos teus poemas!
    Viver a vida com suas dores,as vezes
    sem as cores que gostaríamos,mas sempre tentando encontrar novas
    matizes no decorrer da nossa ca-
    minhada,sem nunca parar.
    abraço

    ResponderExcluir
  8. .


    É fantástico o seu blog. Curvo-
    me diante dele e de você, bei-
    jo-lhe os pés.

    silvioafonso







    .

    ResponderExcluir
  9. E perdi-me no tempo, Vi!
    Nem a complacência do tempo, nem résteas de luz se curvam nesta corrida para um ocaso de incertezas em fim de dias, restos de noite...
    E encontro-te aqui numa poesia onde tão bem cantas a vida pela qua vale sempre a pena nunca desistir!
    Se desitirmos da vida, O Universo não cnspira a nosso favor (...) porque o que vai...volta!
    Que brilhem todas as luzes para uma pessoa tão querida como tu!
    Um enorme abraço, Vi!
    Bjis

    ResponderExcluir
  10. Vitalina, fiquei impressionada com a profundidade do seu texto.
    Luz VS. Vida, jogam um jogo em que medem forças com a morte. E ainda que seja apenas uma "pequena réstia" de luz, a vida sai vencedora.
    É um hino à coragem, à perseverança.
    Gostei muito da sua escrita e senti-me honrada com a sua visita.

    ResponderExcluir
  11. Olá, Vitalina!
    Primeiramente quero agradecer teu carinhoso comentário em meu blog e dizer-lhe q adorei receber tua visita!
    Fico feliz q tenha a oportunidade de observar tão belos pássaros no teu dia-a-dia, é uma dádiva da natureza!
    Teu poema é belíssimo q qq coisa q eu dissesse seria redundante diante do q já foi exposto.
    Parabéns pelo teu espaço de talento!
    Tornei-me tua seguidora.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Querida amiga

    Hoje minha visita é para agradecer
    o presente que é para mim
    a sua amizade,
    e também desejar
    um maravilhoso Natal,
    onde possas encontrar nestes dias
    ainda mais inspiração
    para a alegria de ser feliz,
    e para o milagre de fazer
    quem passa por tua vida feliz.

    Que o teu olhar seja a mais perfeita
    luz do Natal a enfeitar o mundo.

    ResponderExcluir
  13. Estou aqui em seu cantinho para desejar, a você e sua família, Feliz Natal e próspero ano novo. Que em 2012, toda a humanidade tenha melhores esperanças num futuro de todos, ainda, desconhecidos.
    Que você e sua família sejam todos muito felizes, são os meus sinceros desejos.
    Para você estimada amiga Vitalina de Assis, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  14. Comentário de Anderson Balderrama dos Reis em 16 novembro 2011 às 14:22
    (Transcrito da minha página, na Casa da Poesia que foi desativada.)

    Que poesia forte!
    O amor supera todos os obstáculos e mesmo quando parece-nos o fim, eis que encontramos forças no amor para ressurgimos ainda mais fortes.

    Parabéns

    ResponderExcluir
  15. Comentário de Zezinha Lins em 18 novembro 2011 às 13:22
    (Transcrito da minha página, na Casa da Poesia que foi desativada.)

    Olá, minha querida, seu poema é forte e prende muito a atenção. Adorei! Divina inspiração!!
    Parabéns, amiga!
    Beijinhos!
    .

    ResponderExcluir
  16. Comentário de Eduardo de Azevedo Soares em 18 novembro 2011 às 20:46
    (Transcrito da minha página, na Casa da Poesia que foi desativada.)

    Nossa! Isso é que é imaginação fértil! De singela imagem conseguiu discorrer belíssima poesia. Parabéns.
    .

    ResponderExcluir
  17. Comentário de Luiz Mário da Costa em 21 novembro 2011 às 18:14
    (Transcrito da minha página, na Casa da Poesia que foi desativada.)

    - Apesar de você ter esquecido de mim, mas eu não tenho como te esquecer, se sou movido por poemas; neste sentido não posso nem devo me perder de sua poesia: "Ainda que a morte/afagasse seus cabelos/soube convergir tal luz/para sua esperança criança" versos que merecem carinhos extremado e muitos aplausos, um releitura digna de uma visão privilegiada. Abraços poetisa, se lembre de preparar o bolo para amanhã, que vai ter degustação regada a parabéns e muitos vocábulos constituindo poemas.

    Grande Vitalina, bonital e genial poeta.

    Mário Bróis.
    .

    ResponderExcluir


Queridos!

Seu comentário muito me honra!

Sinta-se à vontade para avessar comigo.

Beijos e até.