quinta-feira, 7 de julho de 2011

Conselheiro








Por Vitalina de Assis.


No início apenas Conselheiro
mas quantos podem gabar-se de terem um?

Um Conselheiro amigo
presente
bom ouvinte.
                                                   Dizem que se conselho fosse bom
                                                                   Ninguém dava
                                                                   Vendia.
                                                   Mas tem coisas que não tem preço
                                                                    Dinheiro não paga.

Um Conselheiro que além de conselhos,
Pentelhos, dizia ele
Foi se mesclando...fundindo....

                                                   Aconteceu!
Conselheiro e conselho não se pode separar
Ou
Conselho e Conselheiro
Quem poderá dizer?
                                                    Na multidão de conselhos fez-se o amigo.
                                                    O Conselheiro transcendeu!

                                                    O conselho?
                                                    Palavras ditas não são apenas palavras

Palavra disfarce.
             Disfarçando vidas...
Palavra disfarce.
             Disfarçando entregas...
Palavra disfarce.
             Disfarçando amor...
Palavra disfarce.
             Disfarçando segredos...

                                                      Alojou-se o medo...
                                                                            
Medo cortante
Medo castrador
Medo insano
Medo que ata
Aprisiona...
Prende os pés
Algema
Põe venda
Tira visão
Medo prisão.

Medo se ocupa... O Presente turvar. O Futuro prender. O Amanhã não virá.

O Presente?
Medo confunde, não deixa vivê-lo
O Presente?
é o que se tem
Medo castra, medo se impõe.
O Presente?
                                                       é o que se vive...
                                                       Medo mata
                                                       O Presente?
                                                      é um presente...
                                                      Medo rouba
                                                      O Presente?
                                                      nos dias maus que virão, trará contentamento.

Doce lembrança do que se pôde viver sem medo
Doce lembrança do que se pôde viver com intensidade
Doce lembrança do que se pôde viver com gozo
Doce lembrança do que se pôde viver com alegria

Nos anos em que a vida se vai
Em que o brilho no olhar se perde na eternidade tão próxima!

O que atrás ficou
vivido foi
O que gozado foi
eternizado ficou

Te acalenta
Te acalma
Te declara:
                                                   Viveste tudo que tinha para ser vivido
                                                   Sorveste até a última gôta
                                                   Gozastes na essência
                                                   O que a vida generosa trouxe.

Na transição da vida não há lugar para arrependimento
Na transição da vida, a lembrança nunca esquecida de um amor vivido
Ilumina tua passagem
Na estrada da vida, sua mais doce lembrança

24 comentários:

  1. Gostei do poema. Li, reli e tornei a ler. Para sentir cada palavra. Para o entender melhor. Foi como que uma viagem tanta a diversidade de palavras e de significados. Serei uma visita assídua...

    Jorge

    ResponderExcluir
  2. Por tudo que tão bem descreve é penso que viver um dia de cada vez é o primordial.

    "Na transição da vida não há lugar para arrependimento
    Na transição da vida, a lembrança nunca esquecida de um amor vivido
    Ilumina tua passagem
    Na estrada da vida, sua mais doce lembrança"

    Lindo texto , te espero la
    nos meus versos
    em vermelho

    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  3. Oii estou te seguindo!
    Ficarei muito feliz se vc visitar o meu blog e me seguir tb :)
    Bjs

    http://conversadeblogueiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. E quando o dia amanhece...

    Penduro meu coração no varal...
    Pra secar minhas emoções!

    (sempre me emociono com voce)

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Sua dança de versos ficou linda! É a vida se manifestando, aos poucos, em cada sentir.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Vi,

    Que beleza de poema: Significado e estética perfeitos!

    Beijos, minha amiga

    ResponderExcluir
  7. olá querida!

    Belo e intenso muito bom!
    adorei conhecer esse canto
    tão aconchegante!
    obrigado por sua visita e o
    meu cantinho também é seu!
    um abraço!

    ResponderExcluir
  8. .


    Tu sabes que nesse conto é que eu
    me encontro. É no seu canto que eu
    desencanto e sigo o som da tua voz.
    Portanto, não me deixes perder o ru-
    mo, o prumo, o sonho de tê-la de vez,
    pois se contigo eu fico bobo, sem ti
    eu fico louco, com vista ensurdecida.

    silvioafonso










    .

    ResponderExcluir
  9. Mesmo que as pessoas mudem e suas vidas se reorganizem,
    os amigos devem ser amigos para sempre,
    mesmo que não tenham nada em comum,
    somente compartilhar as mesmas recordações,
    pois boas lembranças são marcante,
    e o que é marcante nunca se esquece! Uma grande amizade
    mesmo com o passar do tempo é cultivada assim!
    Vinicius De Moraes
    Uma feliz semana aceite com carinho
    minha mensagem.
    Deus esteja sempre presente na
    vida de todos nós beijos no coração,Evanir.

    ResponderExcluir
  10. Que boas reflexões que aqui tem!
    Um conselheiro é um amigo e, de facto, hoje em dias não existem muitos amigos que, livremente e de forma sincera, deêm os seus conselhos a troco de nada.
    E concordo consigo, "o que gozado foi, eternizado ficou" !
    Isso será a única coisa que iremos levar da vida... As boas memórias, nada mais. Portanto, o objetivo da vida é mesmo esse. Construir memórias conjuntas!
    Gostei imenso do seu blog, muitos parabéns. Ainda não li tudo, mas não tardarei.
    Irei ficar como seu seguidor, se me permite.

    Atenciosamente,
    Carlos Leite, http://opintordesonhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Ei Vitalina.

    Belíssimo poema.

    Tão bom quando podemos encontrar uma amizade ou amor deste porte. Quantas pessoas dizem amar umas as outras e não são companheiras a este ponto. Reconheço que pode ser difícil chegar a um estágio assim, mas é possível.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  13. Muito obrigado pelo seu comentário, fenomenal, no meu blog.
    Já consegui aceder aos seguidores !
    Muito obrigado,

    Carlos Leite, http://opintordesonhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Ah!... quanta verdade neste belissimo texto!


    Beijos meus,
    AL

    ResponderExcluir
  15. Bello, profundo intenso y conmovedor poema. ¡Felicitaciones! Un abrazo.

    ResponderExcluir
  16. Bacana tudo por aqui.
    muita poesia e textos de boa qualidade.

    To colado no seu blog...!

    um beijo !

    ResponderExcluir
  17. Ler-te é como se planássemos no ar serenamente e ao mesmo tempo sentindo a delicia da adrenalina ao pular de para-quedas...

    Escreves em movimentos, em curvas e rectas com sons, cores ,sabores,expressões...enfim desenhas teu coração aqui cada palavra o seu bater de vida que sente profundamente.

    Abraço Poetisa Vitalina foi e é um prazer seguir tua caminhada nessa estrada da poesia.

    ResponderExcluir
  18. Uma historia linda de cumplicidade e desejos.


    Lembrei do Drummond.

    saudades de vc.

    Beijo

    ResponderExcluir
  19. Querida amiga

    Mais que palavras,
    este texto
    é uma celebração
    ao belo.

    Que os sonhos te envolvam
    a vida, sempre...

    ResponderExcluir
  20. .


    Mas o que teria acontecido se a dor
    doeu, se o que era bom ficou ruim e
    se tudo o que dissemos por ninguém,
    coisa alguma foi ouvido?
    O que teria acontecido, eu me pergunto.
    O grito que de longe eu ouvi daqui ter
    partido. A fumaça mensageira deixou
    brasas apagadas agora cinzas e nada
    mais neste caminho, quase estrada e o
    que foi dito agora é passado. Vontades
    ocultas, letras apagadas.

    silvioafonso






    .

    ResponderExcluir
  21. Comentário de selda moreira kalil em 3 março 2013 às 1:29
    (Transcrito da minha página, na Casa da Poesia que foi desativada.)

    Que seja sempre bem vindo nosso conselheiro amigo
    Eu li e reli tudo com muita atenção e tentei fazer uma avaliação reflexiva da minha vida dentro desta sua magnifica inspiração e no momento eu so senti vontade de um colo amigo.
    Muito lindo tudo que disse poetisa,encantada.

    Meus aplausos e meu carinho....Gde beijo
    .

    ResponderExcluir
  22. Comentário de Irene Duarte em 1 março 2013 às 2:59
    (Transcrito da minha página, na Casa da Poesia que foi desativada.)

    Um texto inteligente e gostoso de ler; despertando em nós lembranças de bons momentos vividos com a mesma intensidade...Adorei, amiga.

    Bjoss
    .

    ResponderExcluir
  23. Comentário de Helio José da Silva em 28 fevereiro 2013 às 17:30
    (Transcrito da minha página, na Casa da Poesia que foi desativada.)

    Um conselheiro amigo é bem vindo a qualquer momento, um poema que propiciou-me agradável leitura, parabéns...
    ..

    ResponderExcluir


Queridos!

Seu comentário muito me honra!

Sinta-se à vontade para avessar comigo.

Beijos e até.