domingo, 19 de março de 2017

Arvoreando.


Por Vitalina de Assis.





Que bom que meu olhar pôde captar o crescimento da árvore. Árvores realmente me encantam e em dias idos, de sofrimento intenso me alimentava de sua força, firmeza e determinação, pois voltavam sempre frondosas e com muitas histórias para contar. E se assim podiam... perder folhas, perder flores, secar e novas folhas, novas flores, nova sombra desenhar, pensava... por quê não sentir sua sabedoria e imitar seu ciclo?

Pedi o plantio de algumas na minha rua, sofri com elas e com as formigas cortadeiras que pareciam possuir prazer em picotar suas juvenis e recém chegadas folhas. Não ficava uma para contar história. Formigas cortadeiras já passaram por meu jardim. Evidenciava uma perda aqui e ali sem a compreensão de que necessário seria perder, para ganhar em outro tempo, em outros dias, em nova maturidade. Também reguei incontáveis vezes suas raízes, e aonde chegava a mangueira, ia eu, e aonde mangueira não ia, caminhava eu com o balde.

Segurei a base de um tronco com pedras, implorei a um estranho que me ajudasse a escorar uma delas e no dia seguinte, lá estava uma pesada galha, já com flores, caída na calçada. Mobilizei um colega, mandei fotos, solicitei uma intervenção e cortaram a galha, aprumaram a arvorezinha.

Hoje converso com elas, (um elogio, um obrigada por existir) toco em seus troncos, acho graça de minhas angústias enquanto cresciam. Aprendi com elas que saber quem somos e a que viemos, faz toda a diferença. (Sinceramente? Penso que evadi desta aula e por mais que eu pense, sinta ou invente para mim um propósito, sei que estou em falta com minhas entranhas, com o que anda na minha alma, com sentimentos que ainda não elaborei.)

Estava agora no banho, naquele momento único em que podemos pensar em quem somos, no que fazemos e aonde ainda não chegamos. Pensei com a minha pele, (já que em minha nudez não havia botões para pensar, acredite, este não é um bom momento para análise. A nudez te expõe sem piedade. Fica o eu e a pele descoberta.) que na minha vida, ao longo de meu meio século e alguns anos de existência, não sabia direito quem eu era, o que eu fiz e qual o real propósito da minha existência.

Formei-me em Letras, não dou aulas, sou escritora e meus livros presos dentro de mim estão, estou só e sem emprego (é, estou engrossando as estatísticas ) e no meu mais puro estado otimista, me questionei: - e agora?

Banho tomado voltei ao quarto, mirei-me no espelho, passo protetor solar? E esta mancha no rosto que insisto em ver mais clara ou finjo não enxergar e ela insiste em ser.  Incomoda-me sua firmeza. O que fazer? Emagreci um pouco, pensei nos exercícios que postei no Face,  no abdômen  que ando prensando e abrindo as costelas, que segundo minha filha, não se abrem se não há ar nos pulmões. Vou rever esta técnica, em algum detalhe me equivoco.

O Facebook chamou minha atenção – “Soninha comentou seu vídeo”. Pensei: vai malhar também. Ela não viu este vídeo ou não se importou. De qual vídeo se posiciona? Ah! As árvores! Tão centrada no meu umbigo, tinha me esquecido deste vídeo incrível. Tiro o foco de mim mesma, penso nas árvores e passo a responder minha amiga. E não é que apenas comentar, me emociona?

Mergulho em mim, minhas galhas se movem, há uma brisa que incomoda, (brisas refrescam, mas esta me incomoda) sinto muitas folhas picotadas a espalhar-se e nenhuma formiga cortadeira ao alcance de meus olhos. Desejei ser árvore com a sua certeza. Me descobri fragilidade das incertezas, galha cansada, rendida ao chão.

Outra brisa, outro momento, outro pensamento. Não é assim que acontece?